Cerejeira em Campos do Jordão. Essa árvore é nativa da Ásia Menor e do Irã. (foto IP)

 

MÃE!  

     Mãe! Aquela que ama o ser que Deus lhe enviou qual dádiva celeste, e a quem ela concede o atributo divino - a vida - olvidando todos os sofrimentos pelo amor que consagra a quem lhe fez padecer!

     Mãe! Amiga incomparável dos arcanjos que quebram as asas ao deixar o Infinito constelado, para caírem no tétrico abismo da Terra - a mais extensa de todas as jornadas! - E os acolhe em seu generoso seio, beijando-os, desejando-lhes todas as venturas, todas as bênçãos celestiais, todas as alegrias mundanas!

     Mãe! Aquela que padece as ingratidões dos filhos, chorando, suplicando ao Céu sempre e sempre auxílio, proteção para que sejam encaminhados ao bem e às venturas!

     Mãe! Aquela que, na Terra, representa o próprio Criador do Universo, pois ela é quem nucleia e atrai a alma - fragmento divino, átomo do Pai Celestial - para torná-la movimentada, consciente pelo cérebro.                                                                

(Espírito Victor Hugo - Obra: Almas Crucificadas - Médium: Zilda Gama).

                                                                                                                              

 Obra escultural representando a mãe com seu filho, situada na cidade de Nova Petrópolis RS. (foto IP)

PODEMOS  ILUDIR  TEMPORARIAMENTE  AOS  HOMENS,  JAMAIS  ENGANAREMOS  A  PROVIDÊNCIA  DIVINA.

                                                                                                     PRÓXIMO                                                                                                                                                                                INÍCIO