Flor que encontrei no sertão do Brasil - Foto iap

ENLACES MATRIMONIAIS

(Autor: Espírito Victor Hugo - Trecho do livro Párias em Redenção - Médium: Zilda Gama)

     Na Terra - abismo de trevas e sentimentos malsãos - ainda se celebram esponsais que afrontam a harmonia das leis siderais: são conchavos de interesses em que imperam, às vezes, a concupiscência e a cobiça. Elegem consortes atendendo quase exclusivamente à plástica, aos haveres, à posição social, colimando o desfrute de gozos materiais.

     Raros os que buscam um consórcio de labores domésticos, um desvelado consorte que compartilhe dos seus júbilos e das suas desilusões, um ser amigo que lhe conforte o coração nos dias tormentosos, que sorva na mesma taça o absinto das provas aspérrimas.

     Os enlaces em que não predominam afinidade de sentimentos puros, concórdia, honestidade, fidelidade mútua, desfazem-se ao primeiro embate das paixões, ao primeiro sopro da adversidade; esfacelam-se como elos de cristal arremessados à rocha.

     Os lares, quase sempre, são conspurcados pelo perjúrio e pela perfídia, quando não têm, para os defender, a falange invicta da Lealdade, comandada pelo Amor e pela Virtude - generais supremos dos corações amantes e nobres, invulneráveis à traição!

     Dois entes, unidos unicamente por interesses condenáveis, ligam apenas os corpos, mas suas almas se repelem como polos isónomos. As convenções sociais os acorrentam em ergástulos de bronze escaldante; os obrigam a representar a farsa ou a tragédia do amor conjugal, mas, no íntimo de ambos, há uma caudal inextinguível de repulsa, hipocrisia, desgosto...

     Separam-se, às vezes, odiando-se mutuamente. Têm recíprocas recordações que os pungem como víboras ígneas, e, muitas vezes, se trucidam na própria mente que as gerou, quando não o fazem ao próprio corpo com armas homicidas...

     Seus lares, quase sempre, são derrocados e seus descendentes - se os há - desditosos que se lançam à senda do crime ou do prostíbulo.

     Raro o consórcio em que os nubentes são levados por sentimentos afetivos, espiritualizados; consórcio esse que liga as almas eternamente, unidas ombro a ombro, levando ao Gólgota da Redenção o madeiro esmagador das provas cruciais.

     Constituir um lar, um fragmento de céu na Terra, um farrapo de luz nas sombras planetárias, um Paraíso em miniatura, um pequenino reino para dois elementos soberanos - seja modesto ou confortável, impulsionados os nubentes por pensamentos sublimes e onde sejam acolhidos com ternura os que pairam nos planos espirituais, atraídos pelo ímã dos corações amantes, por se tornarem filhos estremecidos - ovelhinhas que devem ser norteadas ao redil de Jesus, mediante ensinamentos profícuos, lapidando-lhes o diamante dos sentimentos, educando-os e tornando-os úteis à coletividade - é conceber e realizar um dos mais sublimes escopos humanos!

     Conjugam-se, assim, Espíritos afins, que, no transcurso dos evos se vinculam indissoluvelmente, e realizam feitos inolvidáveis, de amor e devotamento. Para esses não há maior tormento que o da separação e, para conquistar a sua união perpétua, suportam serenamente os mais tremendos martírios, porque para eles nada mais desolador que a ausência material dos entes idolatrados! O lídimo amor é amálgama de duas almas, que, dir-se-ia, se permutam nos corpos que as encerram, ligam-se por laços luminosos que as põem em contato onde quer que estejam, mesclam seus pensamentos, vibram pelo mesmo diapasão de ouro os sentimentos, percebem o pulsar uníssono de seus corações, mesmo distantes, vivem uma só vida, aspiram a uma só ventura - a sua indestrutível aliança!

     São esses os Espíritos gêmeos, que, no defluir da Eternidade, cumprem as mesmas missões dignificadoras, caminham, par a par, no carreiro das existências planetárias, sofrem os mesmos infortúnios, vertem os mesmos prantos, forjando assim, com o perpassar dos decênios, os elos sacrossantos das afeições que os angelizam e arrojam aos páramos estrelados, num só impulso, num surto veloz de condor divino, achando estreito o cárcere terreno para expandir o seu amor infinito!

O  SORRISO  É  A  FLOR  DOS  TRISTES,  É  O  CONSOLO  DOS  BONS

                                                                                                                       PRÓXIMO                                                                                                                                                  INÍCIO